Corações em Diálogo: conheça o projeto
Um projeto de coração para coração - Corações em Diálogo - Niterói - RJ

Corações em Diálogo: conheça o projeto

Descubra como surgiu o Corações em Diálogo, instituto dedicado às relações de não violência e à mediação de conflitos

A violência é causadora de muitos conflitos que vemos no dia a dia. E com “violência” não me refiro apenas à agressão física, mas também à agressão verbal ou psicológica. Essa grande geradora de embates e discórdias pode ser combatida por meio de diálogos não violentos e de conexões positivas entre as pessoas. Foi com base nessa ideologia que criei o Instituto Corações em Diálogo. 

A não violência é a prática de não causar sofrimento físico, psicológico ou verbal (a si ou a outros seres), pois entende-se que não há necessidade de agredir outrem para se conseguir ganhos ou benefícios. Difundir essa cultura de paz é o principal objetivo do Instituto Corações em Diálogo. Continue lendo e conheça mais um pouco desse lindo projeto!

Fabiana Lima: uma vida por trás do projeto

Para conhecer o Instituto Corações em Diálogo, é importante me conhecer também, porque nossas histórias andam juntas: me formei em Direito no ano de 2006 e sou advogada. Minha atuação nessa área começou muito antes de me formar, já que optei por estagiar. Iniciei esse caminho atendendo ao público como estagiária do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e da Defensoria Pública, e continuei atuando na área de litigância em escritórios de advocacia e em empresas. Dessa forma, tive a oportunidade de sentir e viver os dois lados do Direito: a relação humana – escutando histórias/relatos de pessoas – e do processo judicial – no qual eu defendia ou atacava um réu –, porém, por algum motivo, escolhi, por um bom tempo, o afastamento do contato direto com as pessoas e me ancorei no trabalho burocrático.

Com o nascimento do meu filho, Lucas, digo que algo mudou dentro de mim. A maternidade é um processo de inquietudes e descobertas que, com o tempo, nos faz despertar. Quando me lembro desse desabrochar, me vem à cabeça as palavras “empoderamento” e “reencontro”. Empoderamento, porque me vi mulher pela primeira vez, e reencontro, porque passei a olhar para a minha essência (aquilo que ninguém consegue ver e somente eu consigo sentir e compreender). A partir desse novo olhar para o meu “eu” interior, passei a ter consciência da importância da relação: o estar com outro nos transforma. Comecei então a enxergar o quanto essas ligações e trocas interferem e complementam o meu viver e o viver do outro e decidi iniciar meus estudos sobre Comunicação Não Violenta e Justiça Restaurativa. Em outubro de 2019, nasceu finalmente o projeto que daria à luz o Instituto Corações em Diálogo. 

Objetivos e valores

O objetivo do projeto desde o início foi cuidar e apoiar famílias, grupos da sociedade e instituições educacionais (principalmente crianças, adolescentes, mães e pais), propagando aquilo em que acredito – os valores de uma cultura de paz na relação, construindo e incentivando um convívio harmônico e saudável com as diversidades individuais e coletivas e promovendo espaços que dão lugar ao diálogo respeitoso, pacífico e à escuta de qualidade em todos os âmbitos das relações humanas, a fim de que seus participantes ressignifiquem os seus olhares no que tange ao conflito e, assim, sejam mediadores dos seus próprios conflitos.

O Instituto se fundamenta nos princípios da cooperação, da afetividade, da empatia, do pertencimento, da ética, da humildade, da responsabilidade, da interconexão, do empoderamento, das relações humanas, da cultura de paz e da não violência. Esse projeto embrionário que tracei o início, mas não desenhei seu meio e nunca pensarei no seu fim, nasceu de um desejo aglutinado de capacitação, imaginação e amor, que está se concretizando pela vontade de querer atingir mais e mais pessoas em relação ao que acredito: numa sociedade de convívio harmônico com as diferenças.

Como o projeto Corações em Diálogo funciona

Utilizo, no meu trabalho, metodologias como as Práticas Circulares Restaurativas e a Mediação de Conflito como forma de transformação afetiva das relações que, através das ferramentas adequadas, desenvolvo ao mesmo tempo em que cuido das habilidades socioemocionais e viabilizo o encontro do diálogo com a escuta. Contar uma história nos conecta com o outro, e, na conexão, nos transformamos por meio da ressignificação e nos reconhecemos na humanidade do outro. Para tanto, é preciso abrir espaço interno (autoconhecimento) cuidando de todas as áreas do ser humano: “mental, emocional, físico e espiritual”.

Alcançar esse fim requer tempo e estudo, por isso o Instituto Corações em Diálogo oferece cursos, oficinas, palestras e atendimentos individuais, os quais você pode conhecer mais na seção de serviços do nosso site. Ficou interessado? Entre em contato comigo pelo WhatsApp e descubra mais do projeto Corações em Diálogo. Venha fazer parte desse círculo de paz e humanidade.

Este post tem um comentário

Deixe um comentário